Educando com Amor...

28 de mar de 2010

Atividade para sala de aula - Tema: Páscoa

Esta atividade pode ser adaptada para criançada desde o maternal até o Ensino Fundamental.Se trata de um vídeo da história do Coelho que não queria ser coelho de páscoa. Muito legal, a criançada adora. Quem desejar em power point é só deixar um recado em comentários desta postagem.

25 de mar de 2010

Mais atividades de Páscoa

Podemos fazer tantas atividades para aproveitar o tema de Páscoa...Dentre elas é confeccionar lembrancinhas que podem ser entregues na última semana que antecede a Páscoa. Sendo uma lembrancinha para cada dia da semana. Como mostra a foto. Em amarelo é um chapéuzinho, em rosa uma máscara, tipo antena e ao lado um coelho de lembrancinha, feito de rolo de papel higiênico, pintado por eles.


Podemos levar coelhos vivos para a criançada se divertir. Conversando bastante com eles, mostrando as partes do corpo do coelho, falando sobre o que ele come, investigando o que a criança gosta de comer, etc... Até as professoras se divertem com os coelhos.



Ou ainda, podemos aproveitar a música do coelho "que cor ele tem? azul, amarelo e vermelho também". E confeccionar uns coelhos no palitinho. Assim aproveitamos o tema para trabalhar as cores.

24 de mar de 2010

Atividade para Sala - Maternal ao Ensino Fundamental


Ovinhos de chocolate

Ingredientes:
1 kg de açúcar
500 g de chocolate em pó
1 garrafa pequena de leite de coco
1 lata de leite em pó

Modo de fazer:
Misturar todos os ingredientes, amassando até obter o ponto de massinha de modelar,
desgrudando das mãos. Enrolar os ovinhos e embrulhar no papel alumínio.

Objetivos

Levar o aluno a conhecer e explorar os rótulos dos produtos utilizados na receita, observando a data de validade, a importância do código de barras, o nome do produto, a conservação, com a embalagem aberta e fechada, o peso, o símbolo de reciclagem.

Mostrar que a receita tem uma maneira de escrever que permite visualização, diferente de uma história, um texto poético, uma carta. Ela deve ter, geralmente, os ingredientes escritos na vertical ou em legendas, e o modo de preparo pode ser um texto narrativo.

Fazer com que o aluno perceba que o mais importante da Páscoa não é somente o chocolate mas sim o amor e o respeito ao próximo.

Material a ser utilizado

Encartes de supermercados, livros didáticos e folhas de papel.

Canetas hidrocor, lápis de cor, cola, giz de cera, tesoura, cartolina, fita adesiva, abridor de garrafas, pano de prato e guardanapos.

Vasilha plástica grande, papel alumínio, fitilho, papel celofane ou saquinhos pequenos.

Receita – Ingredientes: 1 kg de açúcar 500 g de chocolate em pó 1 garrafa pequena de leite de coco 1 lata de leite em pó

Procedimentos

Pedir aos alunos que tragam encartes para comparar os preços dos produtos e montar um mural com diversos nomes de supermercados.

Apresentar algumas músicas que estejam no contexto do planejamento ou da receita.

Explorar as letras das músicas oralmente, verificando o número de versos, estrofes, tema, vocabulário etc.

Separar, junto com eles, os produtos a serem utilizados na receita.

Apresentação da receita. Ler a receita, verificar os preços dos produtos, resolver problemas, comparar a estrutura do texto de uma receita com a de outros textos.

Manusear os rótulos a serem utilizados, observando a data de validade, o peso etc.

Desenhar os símbolos da Páscoa e enfeitar para serem colados nas embalagens dos ovinhos. Os alunos podem utilizar canetas hidrográficas, colagem de papéis coloridos... Deixar livre a escolha para a criação.

Preparação do Ovo de Páscoa



Pedir para que lavem bem as mãos e falar da importância da higiene na preparação de uma receita. Forrar a mesa com um papel limpo, pois servirá de apoio para enrolar. Cortar o papel alumínio e distribuir entre eles para, posteriormente, embrulhar os ovinhos. Separar uma vasilha plástica grande e todos os ingredientes para o preparo.

Modo de fazer: Misturar todos os ingredientes, amassando até obter o ponto de massinha de modelar, desgrudando das mãos. Enrolar os ovinhos e embrulhar no papel alumínio.

Colocar nos saquinhos ou no papel celofane e enfeitar com os símbolos desenhados anteriormente.

Integração:
História: Conhecer como se comemora a Páscoa em outros países, sua história, seus símbolos...
Matemática: Trabalhando com as medidas de capacidade, dezena, dúzia, preços etc.
Música: Pode-se associar uma determinada música à receita.
Ciências: Noções básicas de higiene, os riscos que corremos se não lavarmos as mãos para o preparo de uma receita.
O perigo de utilizarmos produtos fora da validade.
Orientações para o professor
É muito bom trabalhar com receitas em sala de aula, pois eles aprendem de um jeito lúdico, divertido e muito gostoso.
Duração da atividade: 60 minutos.

22 de mar de 2010

Desfraldamento



Esse artigo sobre o desfraldamento, eu recebi de uma diretora de um Centro de Educação Infantil. Ele foi escrito em forma de perguntas e respostas mas eu o refiz de maneira mais simples, para facilitar a leitura. Não sei sua referência, mas achei o artigo oportuno e bem interessante. Como segue:
É recomendável que o treino do toalete comece a ocorrer por volta dos 18 meses. O processo precisa ser natural e acontecer quando a criança der sinais de que quer tirar as fraldas ou pedir para sentar no vaso e ou fazer cocô em horários fixos. Existem alguns lugares que tiram mais cedo as fraldas das crianças , mas sob o ponto de vista da ciência, o que sabe é que realizar a retirada precoce de fraldas pode causar transtornos na criança, como frustração e irritabilidade, dificultando a conquista do controle dos esfincteres – sistema que regula o xixi e o cocô.
Algumas crianças são estimuladas pelos irmãos mais velhos. Alguns bebês podem retroceder no processo de desfralda, por estarem estressados com o nascimento de um irmão. Outros tiram as fraldas sem nenhum problema.
Cada criança é única e passa por diferentes experiências na hora de fazer xixi e cocô. Assim, o ponto de partida do desfralde da turma deve ser o mesmo, como estimular o uso do vaso sanitário, mas as respostas não serão iguais. Espera-se que as crianças tenham o controle dos esfíncteres até os 3 anos, mas acidentes podem acontecer até o início da adolescência e nunca devem ser tratados com violência ou brincadeiras jocosas. Jamais admita que uma criança receba um apelido por fazer xixi ou cocô nas calças.
Ações que podemos utilizar para ajudar a criança a utilizar o vaso sanitário:
• Uma delas é conversar com a criança sobre a necessidade de retirar as fraldas para sua maior independência.
• Promover visitas ao banheiro e o uso do vaso sanitário a cada 30 minutos.
• Aprender a reconhecer os sinais de cada criança na hora em que quer urinar e defecar e encaminhá-la ao banheiro.
• Brincar de dar tchau para o xixi e o cocô.
• Colocar no assento o adaptador para o tamanho da criança pois muitas tem medo de cair no vaso sanitário.
• Não ridicularizar o pequeno que deixa escapar urina ou fezes na roupa íntima, mas reforçar qual é o comportamento esperado.
• Iniciar o processo de desfralde nas estações mais quentes do ano.
• Orientar os pais e contar com a colaboração deles, para que a criança fique, de início, sem fraldas durante o dia. E que à noite, o filho seja levado, mesmo dormindo ao banheiro.
• Pode-se pedir aos pais que utilizem o penico em casa, mas apenas em casa. Nas escolas devem-se usar os banheiros.
• Orientar os pais a colocar mais roupas nas bolsas das crianças, para este período de desfraldamento.

Os educadores e as famílias precisam ser parceiras, pois a criança fica confusa quando a escola ensina que é necessário que ela tire as fraldas e a família envia mensagem de que “ainda quero que você seja o meu bebê” e protela um marco do desenvolvimento do filho. Para começar o assunto pode ser discutido na matrícula e apresentado como tema em mais de uma reunião coletiva e individual. É importante mostrar o esforço da equipe pedagógica em desfraldar as crianças e estabelecer rotinas com as famílias.

17 de mar de 2010

Socorro!!! Primeira Etapa - "Adaptação"


Vai ano e vem ano e sempre estamos diante de um dilema! A adaptação! A fase inicial das crianças. Como amenizar o sofrimento delas? Separar-se dos familiares, mesmo que para alguns são por poucas horas, para outros por muitas horas...mas é algo dificultoso. Por isso, pensei em postar este projeto que elaborei. Baseado em um dos melhores livros que já li, o livro da Eulália Bassedas.

ACOLHIDA E ADAPTAÇÃO

Nível: Todas as crianças do horário inicial. Estendendo para a sala de aula, berçário I.
Tema: Acolhida/Adaptação
Duração: 10 dias (conforme cada realidade)
Objetivo:
• Fazer com que a criança se sinta acolhida.
• Estabelecer uma boa comunicação entre pais e professores.
• Fazer com que a criança perceba uma continuidade entre sua casa e a escola.
• Proporcionar segurança e afeto as crianças e os pais.
• Fazer com que os pais se sintam tranqüilos e depositem confiança na professora e no Cmei.

Conteúdo:
O fato da criança se distanciar dos pais, da família e iniciar uma nova jornada em sua vida; a de escolarização. É um momento de grande influência. Por este e outros motivos, é que se torna super importante nos prepararmos para recebê-la.
Procedimentais:
• Fazer com que a criança perceba que há uma boa relação entre a família e a professora.
• Aceitação da separação.
• Preparar o ambiente aconchegante.
• Orientação do espaço de entrada e na sala de aula.
Conceituais e atitudinais:
• Identificação das pessoas e da organização do ambiente.
• Valorização positiva da própria identidade.
• Confiança e segurança progressiva nas suas próprias possibilidades.

Metodologia
• Nos primeiros dias, organizar a situação para que os pais possam acompanhar seus filhos até a sala. Depois estabelecer gradualmente, para que se despeçam na entrada da sala.
• Observar bem para perceber os estilos e as diferentes maneiras de agir de cada família para adaptar-se ao seu caráter.
• Ajudar para que a criança se despeça de quem a acompanhou.
• Acolher as crianças e as famílias sem pressa. Manifestando alegria e convidando as outras crianças para receberem o coleguinha. Mostrar interesse pelo que acontece fora do Cmei. Sentir e mostrar afeto real por todas crianças.
• Dar orientações prévias às famílias, explicando como se organiza este momento e como podem colaborar. Sem imposições.
• Dar incentivos para que as crianças, gradualmente interiorizem as diferentes rotinas e ações que deverá realizar.
Avaliação
• A criança chega contente no Cmei?
• Despede-se ou não da pessoa que lhe acompanha?
• Aceita o consolo e o acolhimento da professora?
• As crianças explicam as coisas que lhe ocorreram ou as que viu?
• Os familiares colaboram na integração das crianças?
• O ambiente de acolhimento está bom?
• Tenho algum conflito?
• Tenho tempo para receber os pedidos, as informações e as preocupações das mães e das crianças?
• Tenho tempo para conversar individualmente com as crianças?